15 Ceoinsights Paulette Melo

Veja dicas de especialistas para conquistar um emprego

Público durante palestra na FGV de CampinasVinícius Agostini/AAN

Público durante palestra na FGV de Campinas

O último dado sobre desemprego no País, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que até outubro do ano passado, 9 milhões de pessoas perderam seus postos de trabalho.

Até março de 2016, pelas projeções do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV), a parcela de desempregados deve chegar a 10 milhões de pessoas. Esses dados, alarmantes e que causam preocupação, reforçam a importância de se preparar para o mercado de trabalho.
A preparação não serve apenas para a parcela que está desocupada, mas também para o profissional empregado, já que precisa estar em constante busca de conhecimento para se manter no cargo.
De acordo com a professora da IBE Conveniada FGV Paulette de Melo, PhD em administração pela Florida Christian University, coaching e mentoring para grandes empresas, se o empregado está agregando valor à empresa, certamente nenhum empresário irá demiti-lo.
“Você precisa se perguntar todos os dias se está fazendo sua parte e quais as razões que o mantêm na organização. Enquanto seu DNA estiver alinhado à razão central de valor da organização, você será mantido nela”, diz.
Palestra na FGV fala sobre mercado de trabalho
Para quem busca uma colocação no mercado competitivo, a recessão fez crescer o número de desocupados e, com isso, ficou mais difícil uma nova posição no mercado de trabalho. Na agência de empregos Luandre, no Centro de Campinas, 6 mil currículos são recebidos mensalmente de candidatos de diversos níveis de escolaridade.
Mas, se após entregar o currículo, uma nova oportunidade de emprego bater à porta, é fundamental estar preparado para a entrevista. Nesse caso, a professora aconselha que, em primeiro lugar, o candidato deve ser o mais autêntico possível. “Nenhum recrutador espera a perfeição. Nós esperamos pessoas que estejam trabalhando no sentido de se tornarem cada vez melhores”.
Para isso, Paulette dá dicas essenciais. Em uma dinâmica, o candidato precisa se mostrar como líder do grupo, no entanto essa liderança não pode ser imposta, mas conquistada.
Ela reforça que o recrutador observará, a todo o momento, a capacidade do entrevistado de trabalhar sob pressão. Além disso, o entrevistador analisará o poder de criação e inovação, inclusive nas repostas.
“É muito comum, em um processo de recrutamento e seleção, o recrutador perguntar quais são as áreas em que o candidato gostaria de se desenvolver ou melhorar. A maioria das respostas é ‘sou muito perfeccionista’ e ‘sou muito ansioso do ponto de vista de velocidade no meu trabalho’. Essas são respostas que estamos cansados de ouvir”.
A professora diz que não há demérito algum para o candidato dizer que tem dificuldade em um determinado aspecto. “Não há problema em você expor que, às vezes, não é tão criativo quanto gostaria de ser, mas que está lutando no sentido de ganhar essa capacidade, por exemplo”.
Paulette observa que há competências que o candidato vai lidar durante toda a vida e não ficará bom nunca. “Assumir dificuldades e, sobretudo, mostrar que você está interessado em melhorar, demonstra maturidade e percepção do processo de construção na carreira”.
“Você fez uma graduação na área em que é brilhante?”
O questionamento da professora Paulete de Mello reflete a realidade de muitos desempregados que estão formados e em busca de colocação na área de graduação. “Todo ser humano é brilhante.
A realidade é que muitas pessoas não encontraram ainda sua área de brilho e, por uma série de contingências externas, acabam se formando em uma área que nada tem a ver com elas”, diz. Segundo a professora, a formação acadêmica precisa complementar o talento do profissional.
“Caso não exista uma relação de talento e formação acadêmica, o indicado é fazer uma imersão, uma busca dentro de você. O que recomendo para quem está desempregado e não encontra trabalho na área é que responda à seguinte questão: ‘eu amo o que faço? Isso será fonte de uma realização profissional?’. Se você não conseguir unir talento e formação acadêmica, não brilhará”.

“Se a sua vocação é ser chef de cozinha, seja o melhor chef de cozinha que existe. Repense quem você é, quais são seus talentos, onde você brilha e responda a questão: ‘eu estudei algo que fortalece o meu brilho?’. Se sim, você está no caminho certo.”

professora Paulete de Mello

Do outro lado
Para os empresários o horizonte permanece escuro e o cenário do mercado é de recessão e instabilidade, tanto política quanto econômica. No 15° CEO Insights, encontro promovido para executivos e futuros gestores, Heliomar Quaresma, presidente da IBE Conveniada FGV, afirma que é preciso acreditar no potencial dos empreendedores. “Resta aos executivos e presidentes de empresas realizarem a transformação necessária para que o País continue caminhando, diz.

“Para não perder talentos, é preciso trabalhar a parte de recursos humanos porque a dificuldade em manter pessoas de alto nível, nesse momento, é grande”

Heliomar Quaresma, presidente da IBE Conveniada FGV

Anote – Currículo:
– deve ser completo, claro e objetivo
– não se esqueça de colocar data de entrada e saída das experiências profissionais
– a boa elaboração é essencial para conseguir um novo emprego, pois o currículo é o cartão de visita do candidato, que abre ou fecha portas
Entrevista:
– cuidado com a maneira de se vestir: roupas inadequadas para a ocasião, como blusa decotada ou camisa de time é desclassificação na certa
– Nunca atenda o celular no meio de uma entrevista. Antes de começar, desligue o aparelho
– fale da sua experiência, explique sua formação acadêmica, na sua área de atuação, fale dos problemas que você teve e conseguiu resolver, quais foram os sucessos que você obteve no trabalho por onde você passou, em quais momentos a empresa identificou em você um profissional diferenciado, fale um pouco do contexto familiar. Essas podem ser algumas perguntas dos recrutadores
– detalhe seu sucesso
– fique atento ao olhar do entrevistador para saber em que momento a sua fala está ultrapassando a zona de conforto dele
– pergunte ao final se o entrevistador gostaria que você detalhasse mais algum assunto
– caso o recrutador perguntar se você quer fazer mais alguma pergunta, faça. Muitas pessoas querem escapar da entrevista e respondem que não. Na verdade, essa é a hora em que você vai mostrar o seu diferencial
– entreviste o entrevistador e pergunte coisas como: ao estudar a empresa, olhei no site que ela tem como valores inovação, respeito, foco no cliente e ética. Destes, qual é o mais importante para você?. Nisso, você evidencia que pesquisou e se interessou pela empresa.
Fonte: http://correio.rac.com.br/_conteudo/2016/03/campinas_e_rmc/416584-veja-dicas-de-especialistas-para-conquistar-um-emprego.html
REMOVER TODOS
COMPARE
0