Tipos De Gestao Empresarial Conheca Os Principais E Seus Diferenciais.jpeg

Assim como na vida pessoal, no mundo corporativo cada profissional tem uma forma de lidar com as demandas do dia a dia. Essa variedade de ideias dá origem a diversos tipos de gestão empresarial, que podem gerar resultados diferentes dependendo de como forem aplicadas.

O tipo de gestão ideal depende muito do estilo dos líderes, da cultura organizacional e da natureza do negócio. É uma escolha que vai refletir diretamente no sucesso da companhia, por isso, é preciso conhecer muito bem cada modelo antes de definir qual será predominante na rotina da empresa.

Ter consciência do próprio perfil de gestão também é importante para o líder, para que ele tenha maior autoconhecimento e defina um posicionamento de carreira. Pensando nisso, explicaremos neste artigo quais são os principais tipos de gestão empresarial existentes no mercado e seus diferenciais. Interessado? Confira a seguir!

Cadeia de valor

Criada por Michael Porter, professor de negócios em Harvard, a cadeia de valor é uma estratégia de gestão com foco na otimização dos processos. Cada atividade realizada na empresa é analisada cuidadosamente para que sejam encontradas formas de gerar mais valor ao cliente. Dessa forma, a satisfação do consumidor aumenta, assim como os resultados e a reputação do negócio.

Líderes com formação em marketing costumam ter mais recursos para implementar esse tipo de gestão com sucesso. Em uma especialização na área, o aluno tem contato com ferramentas de pesquisa de mercado que são úteis para avaliar as expectativas do público, a fim de adequar os processos de trabalho para atendê-las.

Ciclo de inovação

No ciclo de inovação, o foco é acelerar o surgimento de soluções criativas e diferenciadas para o mercado. A inovação acontece sempre que uma empresa pesquisa, planeja e implementa um novo serviço. Nesse modelo, o gestor procura controlar e monitorar o tempo gasto nesses processos, a fim de trazer novidades mais rapidamente.

O ciclo acontece em três etapas: criação, implementação e capitalização. Na criação, primeiro são debatidas diversas ideias, sem compromisso com viabilidade ou custos. Dessas ideias, a maioria fica para trás, enquanto algumas seguem em discussão e são amadurecidas.

Por fim, os projetos com mais potencial são desenvolvidos pela equipe e ficam prontos para as fases de implementação e capitalização. A lógica é simples: quanto mais rápido essa roda girar, mais produtos interessantes a empresa poderá lançar.

Ciclo de Deming

Proposto pelo estatístico William Edwards Deming, esse estilo de gestão também é conhecido como PDCA, sigla em inglês para Planejar (Plan), Desenvolver (Do), Checar (Check) e Agir (Act). Pode ser aplicado em qualquer tipo de negócio, já que o grande objetivo é a melhoria contínua dos produtos e serviços.

Como o próprio nome já diz, o ciclo tem 4 fases:

  1. Planejar: aqui, é feita a identificação de problemas e a criação de um plano de ação. São definidas soluções para um desafio ou obstáculo enfrentado pela empresa, junto com metas e prazos para conclusão;
  2. Desenvolver: após todos os envolvidos no projeto conhecerem e estudarem o plano, ele é colocado em prática;
  3. Checar: os resultados são verificados por meio de indicadores de desempenho. O gestor avalia o que deu certo e o que deu errado, elaborando um relatório completo sobre o projeto;
  4. Agir: após a análise dos resultados, as falhas são corrigidas e as ações bem-sucedidas são padronizadas e replicadas. Com isso, o ciclo retorna ao início, com novas análises e um novo planejamento para continuar melhorando os processos e serviços da empresa.

Gestão democrática

Também conhecido como gestão participativa, esse estilo tem como principal característica incentivar que os colaboradores deem opiniões, sugestões e participem ativamente das decisões da empresa. O grau de abertura pode variar, dependendo da maturidade da equipe e da cultura organizacional.

As maiores vantagens desse tipo de gestão são o aumento do engajamento e da motivação da equipe. O ambiente aberto ao diálogo faz com que os funcionários se sintam mais valorizados como profissionais e satisfeitos com suas atividades. Isso também favorece o trabalho em equipe, já que esse modelo se apoia mais na colaboração do que na competição.

Para adotar a gestão democrática, o líder deve se preocupar em desenvolver suas habilidades de comunicação. Com isso, ele será capaz de coordenar os debates, considerar as opiniões de todos e ser bem-sucedido em seus projetos.

Gestão meritocrática

O foco da gestão meritocrática é valorizar os profissionais que apresentam mais potencial, empenho e resultados no dia a dia. Esse modelo tem um efeito muito positivo no engajamento dos colaboradores, já que todos têm consciência de que seu crescimento depende apenas do seu próprio esforço.

Ao contrário da gestão democrática, esse estilo produz um ambiente extremamente competitivo, pois motiva os profissionais por meio de suas ambições individuais. Muita gente não consegue lidar com essa realidade de forma saudável, mas isso não invalida o modelo: é tudo uma questão de recrutar talentos que se adaptem à dinâmica da empresa.

Uma especialização em gestão de pessoas é uma ótima opção para líderes com esse perfil. No curso, o profissional aprende técnicas eficientes para avaliar seus subordinados com transparência e imparcialidade.

Gestão centralizadora

Nesse tipo de gestão, as decisões são concentradas nas mãos do líder, com pouco espaço para que a equipe se envolva em atividades estratégicas. Muita gente considera esse estilo autoritário e negativo para a empresa, mas ele pode ser útil quando se está lidando com subordinados inexperientes.

É preciso muita habilidade para centralizar os processos sem prejudicar a motivação e o engajamento dos colaboradores. Em casos assim, o líder precisa ser muito querido e carismático, para garantir que todos seguirão seus direcionamentos sem grandes objeções.

Agora que você já aprendeu os principais tipos de gestão empresarial, basta analisar cada um deles e ver qual mais combina com o seu perfil. Uma última dica: mesmo que você se identifique mais com um modelo, é fundamental saber aplicar os demais. Assim, você conseguirá adaptá-los às diversas situações e obstáculos enfrentados pelo seu negócio.

Gostou do post? Não se esqueça de assinar a nossa newsletter! Assim, você receberá diretamente no seu e-mail mais conteúdos sobre gestão de negócios.

REMOVER TODOS
COMPARE
0