Demitido

Por que o medo de ser demitido prejudica a produtividade do funcionário a longo prazo – Em pânico com a ideia
de ser demitido? O estresse pode torná-lo pior no emprego.

A preocupação em se tornar desnecessário, a sensação de impotência devido a mudanças no local de trabalho e
incerteza sobre o posto podem afetar seu desempenho.

Ainda assim, criar um ambiente de insegurança de propósito é uma tática usada em alguns negócios – ao
colocar mais demandas e estresse sobre funcionários – na crença enganosa de que isso aumentará sua
performance.

Há algumas versões desse tipo de gerência. Uma é a regra 20-70-10, popularizada por Jack Welch, ex-presidente
da multinacional General Electric, que defendia a ideia de demitir 10% dos funcionários com as performances
mais fracas.

Outra versão, conhecida como “para cima ou para fora”, é uma estratégia adotada por algumas empresas das
áreas de consultoria e legislação na qual quem performa menos – aqueles que não estão subindo a escada de
promoção da carreira – são substituídos.

Mas, ao manter os funcionários na ponta dos pés ao provocar sentimentos de incerteza no local de trabalho, os
empregadores fazem mais mal do que bem, diz William Schiemann, chefe do grupo Metrus, uma empresa de
pesquisa organizacional com base em Somerville, Nova Jersey (EUA).

“É um tiro pela culatra quando empresas usam a segurança no emprego como um graveto, em vez de uma
cenoura, porque os funcionários perdem o sentimento de compromisso”, diz ele. A tática pode acabar com
a confiança no trabalho, acrescenta.

Mas embora a ameaça da perda de emprego nunca seja agradável, há um nível de sensação de segurança
no emprego que pode fazer você dar o seu melhor? E há algo que você possa fazer enquanto uma mera peça
na máquina corporativa? As respostas são complicadas.

DECIFRANDO A SEGURANÇA NO TRABALHO

Como e por que esses medos dos empregados ocorrem é subjetivo.

A ansiedade relacionada ao trabalho depende de sua profissão, seu posto, sua situação financeira e até mesmo
a sua localização.

Trabalhadores na Europa têm proteções mais rígidas sobre demissões quando comparados aos dos Estados
Unidos, por exemplo.

Na Bélgica, funcionários que estão no emprego há três anos precisam ter um aviso prévio de três meses antes
de qualquer desligamento, um número que chega a duas semanas em terras americanas.

Para os funcionários, a insegurança no trabalho não se refere apenas à ameaça de ser demitido, mas também às
ansiedades sobre o futuro do seu cargo – a chamada insegurança qualitativa de emprego, segundo Tinne
Vander Elst,uma psicóloga organizacional da Universidade de Leuven, na Bélgica.

Em seu país, por exemplo, enquanto apenas 6% dos funcionários dizem ter medo de perder o emprego,
31% temem mudanças negativas na sua situação de trabalho. Ambos podem impactar na performance, diz.

ESTRESSE EM PEQUENAS DOSES

Não há dúvidas de que a ideia de perder o emprego e incertezas na carreira causam estresse. Mas, em doses
pequenas, sentimentos de incerteza no trabalho podem dar um incentivo extra aos funcionários para
performances melhores a curto prazo, diz Schiemann.

Alguma incerteza – durante épocas de demissões ou cortes, por exemplo – pode fazer as pessoas trabalharem
mais duro para provar seu valor à chefia, afirma. “Se (os funcionários) pensam que é contornável, eles vão
se esforçar de verdade.”

Para consultores, acrescenta ele, sentir-se inseguro sobre garantir seu próximo projeto também pode
impulsionar o desempenho.

Por mais que não existam estudos científicos sobre esse fenômeno específico, algumas pesquisas indicam
que em algumas circunstâncias o estresse do local de trabalho pode ajudar a focar melhor nas tarefas
e aumentar a eficiência.

No entanto, situações altamente estressantes nunca são boas para a performance a longo prazo, diz
David Creelman, um consultor de Recursos Humanos com base em Toronto.

“Você não deveria colocar alguém nesse tipo de situação se você puder evitar isso”, diz. “Pessoas altamente
estressadas têm mais chances de ter lapsos mentais e éticos e têm mais dificuldade de se dar bem como
membros da equipe do que pessoas menos estressadas.”

PROBLEMAS A LONGO PRAZO

A insegurança relacionada ao trabalho não apenas impacta na saúde e na performance, mas também provoca problemas
físicos que podem perdurar por anos depois que você deixou o emprego, diz Vander Elst.

Em seu estudo mais recente, funcionários que disseram sentir níveis mais altos de insegurança no trabalho
tiveram depressão até três anos mais tarde, diz ela. “Passar por altos níveis de insegurança no trabalho era
a cereja no bolo para ficar depressivo.”

Mesmo se alguns tiverem desempenho melhor com um pouco de incerteza, aqueles que se sentem inseguros
no trabalho estão em desvantagem, diz Vander Elst. A ideia de que algum nível de insegurança pode fazer
os funcionários mais produtivos é um conceito falso, garante ela.

“Há uma relação entre insegurança com o trabalho, níveis mais baixos de performance e de comportamento
inovativo e mais comportamentos de bullying e rotatividade real”, afirma.

Para os funcionários que querem se sentir mais confortáveis no emprego, Schiemann sugere olhar para
gerentes e firmas que focam na justiça e transparência, o que pode ajudá-lo a trabalhar melhor durante
épocas de incerteza.

Não importa qual seja seu setor, você ficará mais engajado se você sentir que seu empregador trata você e seus
colegas igualmente, diz.

Por fim, não há um método infalível para você se sentir seguro em seu emprego. E, se isso está afetando os
seus resultados, está na hora de prestar atenção.

Fonte: Folha de S. Paulo

REMOVER TODOS
COMPARE
0