O Apagão da Mão de Obra Qualificada
Sergio Miorin
Esse assunto muito discutido nos dias atuais, vem gerando grandes oportunidades para as pessoas qualificadas e preparadas, e tirando emprego de pessoas sem qualificação.
No Brasil as empresas de produtos e serviços estão com uma grande demanda de profissionais, chegando ao ponto de empresas e profissionais de RH, não conseguirem contratar e preencher as vagas em aberto.
As vagas vem crescendo mês a mês, principalmente na indústria automobilística, batendo recordes e recordes continuamente.
Quando não temos mão de obra qualificada e o perfil desejado dentro da organização, abre-se então a vaga externa. Quando não temos o perfil para vaga no mercado brasileiro, principalmente as empresas multinacionais acabam trazendo profissionais de outros países para ocupar cargos e responsabilidades dentro do nosso país. Quem perde muito com isso é nosso próprio país, pois poderia ter sido preenchida por um brasileiro e não por um estrangeiro, principalmente quando falamos de cargos como Presidente, Diretor ou Gerente de primeira linha.
Esse apagão tende aumentar nos próximos anos, pois o Brasil vem crescendo e aumentando sua participação nas exportações. Exemplo disso está sendo esse ano, tivemos carnaval, copa do mundo e ano de eleição presidencial, e mesmo com tudo isso, o crescimento está acontecendo.
A dificuldade de contratação vem acontecendo nas áreas de  informática, petróleo e construção civil, entre outras.
Um exemplo disso é que hoje estão sendo treinados por volta de 25.708 pessoas para área de petróleo, sendo que a necessidade é de 207.643, sem incluir o pré-sal, até em 2013 (Fonte PROMINP – Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural). Até o momento já foram treinadas cerca de 52.694 pessoas no programa.
Por isso a importância de uma educação continuada, seja ela através de cursos profissionalizantes, técnico, graduação, especialização, extensão, entre outros.
Para as empresas que tem profissionais qualificados, também precisa ter uma grande estrutura e plano de carreira para o mesmo. Pois quando passamos pelo apagão a dificuldade das empresas é reter essas pessoas importantes que contribui muito para o desenvolvimento e crescimento de uma organização com resultados satisfatórios.
O que as empresas podem fazer para reter e para atrair talentos?
O primeiro de tudo é ter um ambiente organizacional em harmonia, isso é um ponto forte. Os benefícios oferecidos vem em segundo lugar, são muito atraentes perante os olhos do atual ou futuro colaborador. Na sequência o salário, tudo que é diferente da média, é diferenciado.
As palavras treinar, orientar, lapidar, preparar, são de extrema importância para os colaboradores antigos e os que estão chegando.
A palavra treinamento também tem duas frentes, algumas pessoas dizem  que treinam seus colaboradores, e os mesmos quando preparados vão embora. Riscos são vivenciados todos os dias, seja uma aplicação financeira, seja uma ultrapassagem em uma pista, mas precisamos correr o risco, pois caso contrário, a situação pode ser pior, ou seja, ele pode ir embora por falta de estímulo, diferente da palavra muito usada no mercado (motivação).
A motivação está dentro de nós ela é intrínseca, nos impulsiona para cima, para uma ação, diferente do estímulo que vem de fora.
O importante perante esse cenário é estar sempre antenado no mercado, e acompanhando o que está acontecendo, os movimentos, as tendências.
A quantidade de vagas em instituições precisa aumentar, e o ensino precisa adquirir mais corpo, mais dinâmico e mais moderno, caso contrário não irá acompanhar a velocidade, desenvolvimento e inovação junto ao mercado.
A quantidade de profissionais que o país forma por ano, não consegue suprir a demanda do mercado, ficando carente em várias áreas.
Para as pessoas que acabam de se formar e não tem experiência de mercado, precisam saber e entender a grande diferença de uma universidade e um trabalho. Tem algumas coisas que podem ser feitas depois em um curso, que não irá impactar no resultado final. Porém no mercado de trabalho as coisas normalmente são para ontem, a velocidade de aprendizado, de tecnologia, de inovação, de acontecimentos é alucinante.
A pessoa para ter sucesso, ser aceito e se desenvolver no mercado, precisa de algo a mais, perseverança, atitude positiva, dedicação, cultura, desenvolvimento pessoal, profissional e intelectual, trabalhar em equipe, não se conformar com coisas mal feitas, entre outras.
Sergio Henrique Miorin é Graduado em Engenharia Elétrica modalidade em Eletrônica pela USF – Universidade São Francisco, Pós-Graduado Especialista em Engenharia de Redes e Sistemas de Telecomunicações pelo INATEL – Instituto Nacional de Telecomunicações, Pós-Graduado Especialista MBA em Gestão Empresarial pela FGV – Fundação Getúlio Vargas e mestrando em Educação pela Unisal. É Diretor Geral da SM – Consultoria, Treinamentos e Palestras, colunista no Jornal de Valinhos, consultor de empresas e leciona em instituições de ensino, em cursos técnicos, graduação, pós-graduação especialização e pós-graduação especialização MBA como: IBE/FGV
Fonte: Panorama de Negócios
REMOVER TODOS
COMPARE
0