Funções conhecidas como ‘chão de fábrica’ começam a se profissionalizar

Funções conhecidas como ‘chão de fábrica’ começam a se profissionalizar

Tidas como posições mais básicas nas organizações, cargos como de auxiliar de produção veem exigências aumentarem e imporem desafios a candidatos e empresas

Ocupar um cargo de auxiliar de produção nos dias atuais não é mais tarefa fácil. Com o avanço da tecnologia e, sobretudo, a complexidade dos processos produtivos, as indústrias passaram a exigir níveis de formação mais altos em todas as áreas, inclusive naquelas que um dia já foram chamadas de “chão de fábrica”.

De acordo com a especialista em desenvolvimento organizacional da Fundação Getulio Vargas (IBE Conveniada FGV), Rita Ritz, isso tem acontecido porque o nível de competição tem se tornado altíssimo, o que tem feito com que as companhias busquem incessantemente pela inovação e diferenciação. “Existe uma demanda por profissionais que tenham a capacidade de fazer a leitura de uma situação antes de executar uma tarefa e isso impacta diretamente no nível de formação”, destaca Rita.

De acordo com a especialista, as organizações passaram a perceber que as pessoas são um diferencial. “O nível de orientação de um profissional influencia até mesmo em questões mais básicas, como segurança. Aquele pensamento de produção linear, em que o funcionário desempenha uma função quase que mecânica, desaparece, dando espaço para um profissional que sabe analisar o cenário e tomar decisões”, aponta.

Líder do mercado de papéis térmicos na América Latina, a OJI PAPÉIS ESPECIAIS é uma das empresas que tem vivido essa realidade. Hoje, para ser contratado como auxiliar de produção da empresa, o mínimo exigido é a formação de ensino médio. Ademais, conhecimentos em matemática e português são tidos como quesitos fundamentais, cursos de informática ou do setor são diferenciais e tudo é avaliado desde o currículo.

Segundo o vice-presidente da empresa, Agostinho Monsserocco, todo esse processo se faz necessário pelas características das funções que serão exercidas. A empresa, que possui quase 600 profissionais e produz mais de 70 mil toneladas de papel por ano, conta com um processo produtivo de alta tecnologia, com operações e monitoramentos feitos, em sua maioria, por softwares. Para se ter uma ideia, quase todos os profissionais da OJI possuem um computador, e-mail, acesso à internet e são responsáveis por um relatório ao fim de cada turno. “Por isso é importante uma capacidade analítica, que posicione o funcionário, de fato, como um profissional”, conta.

Dificuldades fazem empresas apostarem em formação interna

De acordo Rita Ritz, as empresas têm enfrentado dificuldades de encontrar esses profissionais, tendo em vista que o sistema educacional do Brasil não tem preparado bem os futuros trabalhadores. “A alternativa é a formação dentro da própria organização”, diz.

Foi o que aconteceu com Pablo Rodrigo Barbosa. Ele foi admitido na OJI PAPÉIS ESPECIAIS como auxiliar de produção e, assim que começou a trabalhar, ingressou nos programas de formação profissional da empresa. Hoje, ele faz o curso de Técnico em Química com a metade dos custos bancados pela companhia. “Espero trabalhar e me qualificar muito para crescer e me desenvolver”, diz.

Para Monsserocco, a formação interna é uma alternativa viável e rentável. “Quando encontramos um bom profissional, temos que valorizá-lo. Hoje, a nossa taxa de rotatividade é baixíssima e quase 80% dos profissionais dizem que querem continuar trabalhando aqui pelos próximos cinco anos. Esses são os benefícios de uma seleção bem feita, valorização pessoal e profissional”, aponta.

Fique por dentro

Assine nossa Newsletter e receba as novidades por email
// Acesso rápido
Get in touch

872 Arch Ave. Chaska, Palo Alto, CA 55318
[email protected]
ph: +1.123.434.965

Work inquiries

[email protected]
ph: +1.321.989.645