MERCADO DE TRABALHO

Felicidade na carreira está ligada a “decisões conscientes”, afirma especialista em RH

Análise é da diretora estratégica de RH da CPFL, Silvia Zwi

Divulgação/IBE Conveniada FGV

Silvia Zwi apresentou a palestra 'Gestão de Carreira? no IBE Conveniada FGV

Silvia Zwi apresentou a palestra ‘Gestão de Carreira? no IBE Conveniada FGV
Que carreira seguir e que tipo de profissional você deseja se tornar são questões que todos nós um dia respondemos. E se ainda não respondemos, logo precisaremos tomar essa decisão. Mas, afinal, como fazer a melhor escolha e seguir o melhor caminho?O problema geralmente está exatamente no momento da decisão. Afinal, sua escolha profissional foi feita conscientemente ou você foi levado a estar onde está? A maior parte dos profissionais, muitas vezes, ocupa o lugar em que estão por seguirem um instinto: o da sobrevivência. Partindo deste principio, como saber se será feliz em sua carreira?É importantíssimo entender que carreira é muito menos o lugar em que se está, mas tem muito mais a ver com sua trajetória profissional. E essa é a ideia que a diretora estratégica de RH da CPFL, Silvia Zwi, defendeu em palestra na IBE Conveniada FGV sobre o tema ‘Gestão de Carreira’. “O tipo de trajetória que traçamos em nossa carreira é exatamente o que nos identifica como um profissional realizado ou não”, diz a especialista. “Uma carreira boa é aquela feita de decisões conscientes”, completa.

Cinco aspectos determinantes na carreira
1) Características pessoais
Aqui não tratamos de esteriótipos. Se sou tímido, não posso ser jornalista. Este é o exemplo usado por Silvia Zwi. “Ao considerarmos nossas características pessoais, a reflexão que devemos fazer é como eu uso o que sou a favor da carreira que escolhi ou que quero seguir?”. Para que a escolha seja bem feita, devemos passar pelo processo de reconhecimento pessoal.  “Muitas vezes, quando me reconheço em minhas heranças, entendo melhor minhas decisões e reações diante das situações”.
Identifique seus objetivos e aspirações, reconheça sua herança, pontue suas paixões, identifique suas dificuldades, analise sua família, infância e passatempos.
2) Momentos de vida“Alguém que tem um filho, toma suas decisões priorizando a família. Morte em família pode impulsionar outras perspectivas de vida, assim como separações, doenças, etc. O método pessoal de tomada de decisão é que lhe legitima e lhe permite reorientar percurso profissional”.Muitas vezes, a pessoa que precisa abrir mão de uma ou outra escolha profissional em prol da família, por exemplo, acha que perdeu uma oportunidade e trata a escolha como demérito. Mas não é necessariamente verdade. Na realidade, essas escolhas podem oferecer oportunidades de qualificação e te tornar mais consistente da sua realidade.

3) Contexto externoAnalisar e estar antenado, perceber movimentos, saber interpretar e usar movimentos a seu favor, fazendo interpretações dos sinais dados pelo ambiente em que vive e das pessoas que o compõem por meio de um raciocínio lógico adquirido, faz parte do processo de entender seu contexto externo. “Analise sua própria área e entenda no que pode ajudar. Isso fará com que sua carreira se diferencie de uma ‘casca de noz’ e seja um ‘barco’”.Discipline-se a parar, observar e conectar fatos dados do ambiente ao seu redor e das pessoas.

4) Motivadores de carreiraÉ tudo aquilo que te move para a ação e orienta nas decisões. Geralmente, os motivadores de carreira mudam conforme contexto. “Caso eu tenha filhos, o motivador pode ser dinheiro. Em outro momento, pode ser a estabilidade”.Também entram nessa análise dinheiro, segurança, aprendizado, aprovação social, auto realização, etc.

5) Âncoras de carreiraAqui, tratamos os motivos e valores dos quais não estamos dispostos a abrir mão. “Você pode abrir mão de um valor ou princípio temporariamente, mas volta às raízes. Se identificarmos aquilo que nos rege, podemos nortear as escolhas e evitar insatisfações”.
REMOVER TODOS
COMPARE
0