Vendas Para O Dia Das Mães Devem Crescer 3,8%, Aponta CNC

73%, cerca de 109 milhões de brasileiros, devem presentear na data e maioria vai pagar à vista

Movimento deve injetar quase R$ 14 bilhões nos setores do comércio e serviços

O Dia das Mães é a segunda data comemorativa mais importante para o varejo nacional, perdendo apenas para o Natal. Segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), sete em cada 10 brasileiros pretendem comprar presente no Dia das Mães.

A porcentagem corresponde a aproximadamente 109 milhões de brasileiros e as compras devem injetar quase R$ 14 bilhões na economia. “Este será o primeiro crescimento nas vendas após dois anos consecutivos de queda. E deve sinalizar a tendência de retomada”, avalia o professor da IBE Conveniada FGV, Paulo Ferreira Barbosa, doutor em Economia.

Ainda de acordo com o especialista, caso as expectativas sejam confirmadas, os setores, empresários e investidores devem começar a tirar os projetos na prateleira e voltar a investir, de olho no otimismo do mercado.

O pagamento a vista deverá ser utilizado por 65% dos consumidores: 58% dos casos em dinheiro e 6%, apenas no débito. 23% dos entrevistados apontaram o cartão  de crédito como opção e pagamento, seja em parcela única (7%), em várias parcelas (14%) ou no cartão de loja (2%). Entre os que dividirão as compras, a média é de quatro prestações por entrevistado.

Preços

A pesquisa da SPC Brasil e CNDL revela também que apenas 10% dos consumidores têm a intenção de gastar mais com presentes. A maior parte (38%) planeja desembolsar a mesma quantia que ano passado, enquanto 27% quer diminuir.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta aumento nos preços dos produtos mais procurados na data. “Conforme dados do IPC, os itens tiveram alta de preços de 4,76% entre maio de 2016 e abril de 2017, variação acima na inflação acumulada no mesmo período, de 4,17%”, adianta o economista.

Entre os presentes observados pela FGV, as maiores altas de preço foram dos perfumes (7,92%), ventiladores (7,45%) e liquidificadores (7,28%). Já as maiores quedas foram de celulares (-4,05%), roupas (-1,27%) e máquinas fotográficas (-0,12%).

“Quem prefere dar um passeio ao invés de presente tem que ficar atento. A FGV descobriu que os preços dos serviços tiveram uma alta maior, de 6,41% contra 2,4% dos presentes. Entre os maiores aumentos estão os preços do teatro (36,66%), show musical (9,79%) e cinema (6,91%)”, destaca o professor.

 

REMOVER TODOS
COMPARE
0