Gestão Sustentável

Como seu e-commerce pode exportar? – Dedico este artigo aos empreendedores do Brasil, principalmente
aqueles que vendem produtos online através de um e-commerce. O artigo mostra como a
internacionalização das lojas virtuais não abrange apenas a exportação, mas também a importação:
raramente uma empresa vai se restringir apenas à exportação ou à importação. Os dois modelos são
válidos e se tornam grandes oportunidades, pode acreditar.

Primeiro vamos levantar de forma superficial os temas mais relevantes para desenvolver seu e-commerce
de forma saudável no comércio internacional. Primeiro você precisa conhecer todo o processo que vai
levar a sua loja virtual para o exterior. O primeiro passo é a parte mais difícil do processo e
provavelmente vai exigir mais esforço, mas não desista, concentre-se nesta etapa para ter conhecimento
suficiente e entender de maneira mais prática como vai funcionar a internacionalização da sua empresa.

Se você pretende expandir a operação da sua loja virtual para outros países é fundamental planejar
com cuidado, pois sem planejamento prévio há grande possibilidade de você ter prejuízo. Assim, como
empreendedor existem duas opções: conhecer o comércio exterior ou ter uma empresa que ofereça
assessoria aduaneira com expertise para apoiá-lo em todas as etapas relacionadas a comércio exterior.
Recomendo que você se agarre às duas coisas porque ambas serão importantíssimas para o seu sucesso.

A primeira barreira que pode fazer você pensar em desistir do sonho de internacionalizar a sua empresa
vai ser a burocracia e os termos técnicos, por isso lembre-se: essa é a etapa mais difícil, tenha
paciência e continue firme.

A partir de um planejamento bem feito, seu e-commerce estará apto a receber visitantes de outras
partes do mundo. Por isso você deve elaborar uma política de venda e determinar para quais idiomas
o seu site será traduzido. As línguas mais comuns e que costumam atender consumidores internacionais
são: inglês e espanhol, mas lembre-se: você como empreendedor precisa conhecer e pesquisar seu
público-alvo. Se o número de compradores do seu produto é grande na Holanda, por exemplo, vale a
pena concentrar esforços de tradução para o idioma holandês.

Além disso você vai precisar ter um catálogo de produtos, que além das traduções devem conter também
os preços em moedas como Euro, Dólar e Real. No catálogo você precisará disponibilizar informações
úteis sobre a logística internacional. No comércio exterior você deverá dominar os Incoterms (vamos
abordar o assunto em outro artigo), mas saiba que deve ser uma preocupação sua como empreendedor
disposto a exportar e importar.

Informações sobre quais meios de pagamento estão disponíveis devem estar bem claros no seu e-commerce.
Garanta que as operações de câmbio do seu e-commerce estejam seguras e dependendo do volume de
vendas e da forma com que sua loja virtual determina esses valores poderão surgir outras modalidades
de pagamento.

Abaixo compartilho com você alguns sites que podem ajudá-lo na etapa de desenvolvimento da sua
política de vendas e no planejamento da internacionalização do seu negócio. Veja:

  1. AliceWeb (http://aliceweb.mdic.gov.br/) – Aqui você encontra dados sobre o comércio exterior brasileiro, sobre as importações e exportações (preço médio, países que compram do Brasil e uma série de outros detalhes importantes para a sua empresa.
  2. Invest Export Brasil (http://www.investexportbrasil.gov.br/) – O site ajuda você a reunir informações sobre empresas estrangeiras interessadas em produtos brasileiros por categoria.
  3. Vitrine do Exportador (http://www.vitrinedoexportador.gov.br/) – Através da Vitrine do exportador você consegue criar um showroom virtual e divulgar os seus produtos no exterior.

A seguir citaremos (de maneira ainda superficial) em caráter ilustrativo os termos necessários para você começar no mercado de internacionalização, veja:

  1. RADAR: É o sistema de Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros da Receita Federal, a habilitação que sua empresa deve ter junto à Receita Federal para operar no mercado internacional.
  2. INCOTERMS: Termos e condições necessários para realizar transações internacionais para determinar responsabilidades em negociações internacionais entre importador e exportador.
  3. Classificação Fiscal: O HS Code e o NCM serão muito comuns durante o processo de internacionalização e são essenciais para que se possa determinar a classificação fiscal da sua mercadoria, já que é através desse instituto que são calculados os tributos da operação.
  4. Operação cambial: É a transação que vai enviar o seu dinheiro para o fornecedor no exterior (no caso de uma importação) ou de como sua empresa vai receber o pagamento pela mercadoria que vendeu (no caso da exportação).
  5. Courier x Formal: Tanto para importar, como para exportar sua loja precisa definir o tipo de modalidade de envio e/ou forma de recebimento da mercadoria.

Entendendo esses cinco temas em destaque você vai conseguir desmistificar as questões-chave que
você como empreendedor deve ter sobre internacionalização do seu negócio. Vamos juntos, passo
a passo, entender todo o processo de forma mais aprofundada nos próximos artigos.

Interessado em saber mais sobre Comex?

Inscreva-se para o MBA em Gestão Empresarial com ênfase em Comex na IBE Conveniada FGV. Saiba mais.

Renan Rossi Diez é aluno na Pós-graduação em Administração de Empresas e no MBA, ambos os cursos pela IBE Conveniada FGV Campinas. Atua na área de comércio exterior desde 2006 e, atualmente, é diretor na Intervip Comércio Exterior, empresa que presta serviços de assessoria e consultoria na área de comércio exterior.

Fonte: E-commerce Brasil

Your compare list

Compare
REMOVER TODOS
COMPARE
0