Como o Personal Model Canvas pode auxiliar nos processos criativos?

Seja qual for o tipo de negócio, estruturar um bom planejamento e definir novas estratégias não é uma tarefa fácil. Por isso, é importante investir em ferramentas que possam auxiliar esse processo, e o Personal Model Canvas é um exemplo disso.

Muitos gestores no mundo inteiro utilizam esse recurso para desenvolver seus processos criativos e facilitar a estruturação de ideias para o futuro. Mas será que essa técnica funciona mesmo? Quais são as suas vantagens e como funciona? Continue a leitura e confira as respostas para essas perguntas!

O que é e como funciona o Personal Model Canvas?

Também conhecida como Modelo de Negócio Pessoal, a ferramenta foi criada e publicada por Alexander Osterwalder e Yves Pigneur – autores do livro “Business Canvas Generation”, que virou best seller internacional.

A intenção era idealizar um método inovador de design de negócios, que pudesse ajudar as pessoas a definir seus objetivos e reinventar suas carreiras. Um diagrama funcional seria a melhor maneira de obter uma visão sistêmica de todos os fatores essenciais da vida de cada um. Isto é, o que precisava ser melhorado e quais eram os pontos de destaque a serem explorados, por exemplo. Cada pessoa deveria se ver como um negócio a ser trabalhado.

Com o tempo, o Canvas começou a ser usado com outras finalidades, especialmente para criar modelos de negócio – nesse caso, de instituições, empresas, ideias e tudo o que vai além dos modelos pessoais.

De que forma está estruturada a sua metodologia?

Para quem já conhece, o quadro é de fácil identificação. São 9 quadrantes que ajudam a montar um esquema geral do negócio que se tem em mente. Veja a seguir o que cada um deles apresenta:

1. Parceiros-chave

Os parceiros constituem um valor estratégico para o negócio, logo, prezar pela qualidade deles deve ser uma preocupação. Do que a sua ideia necessita para acontecer? Pense em quem você precisa para começar a cuidar dessas relações, evitando riscos e otimizando os seus resultados.

2. Atividades-chave

O que você faz ou pretende fazer deve ficar bem claro nesse quadrante. Considere todas as etapas de ações que serão necessárias para cumprir sua proposta de valor.

3. Recursos-chave

Essa é a parte para descrever quem você é, quais são os seus interesses, competências e habilidades. Todos os recursos tangíveis ou intangíveis devem ser especificados, indicando aquilo que é fundamental para que o seu negócio funcione.

Se ainda estiver na fase de idealização, aponte tudo o que você considera como essencial para realizar suas atividades e gerar valor para o seu cliente.

4. Proposta de valor

Ao identificar uma necessidade e um público-alvo, provavelmente você vai conseguir detalhar o que deve fazer para estabelecer a sua ideia no mercado. O que você quer entregar para os seus clientes? Pense em diferenciais para se posicionar de forma singular.

5. Relacionamento com os clientes

Não basta apenas vender, você precisa se relacionar com os seus clientes. Aliás, certamente esse é um ponto especial para o seu sucesso. Portanto, esteja atento às fases de atração, conversão e fidelização.

6. Canais de distribuição

Agora é hora de definir como você vai entregar o seu produto/serviço. Como os seus clientes chegam até você e como você chega até eles? Pense na comercialização do seu negócio, sabendo que os canais de venda precisam ser ativados.

7. Segmento dos clientes

Os seus consumidores ou futuros clientes fazem parte de grupos. Afinal, pessoas têm características, necessidades e vontades semelhantes que acabam definindo nichos de mercado.

Isso é o que você deve avaliar para descobrir quais segmentos quer atingir. Procurar entender o seu público é uma tarefa imprescindível para conquistá-lo.

8. Estrutura de custos

Tudo tem o seu preço — ou melhor, o seu custo. É loucura iniciar ou dar continuidade a um negócio sem analisar as suas despesas. Elas precisam estar bem definidas para que você, inclusive, consiga otimizar os seus gastos e melhorar os seus ganhos.

9. Fontes de receita

Basicamente, gerar receita é um dos maiores objetivos de um negócio. Ainda que no começo não haja lucro ou que os ganhos sejam destinados a outras causas, o ideal é que o negócio seja pelo menos sustentável. Então, detalhe as suas fontes de receita e, se possível, encontre maneiras de variá-las.

Vale ressaltar que essa não é necessariamente uma ordem a ser cumprida, e que a numeração dos quadrantes serviu apenas para ordenar os 9 blocos. Cada pessoa começa a preencher o seu Canvas do jeito que achar melhor ou mais conveniente.

Qual é a sua importância para os processos criativos?

Depois de conhecer quais são os pontos cruciais do Personal Model Canvas, é mais simples entender a sua relevância em um processo criativo.

Sua estrutura proporciona uma concepção muito mais funcional de tudo o que você deve considerar para colocar algo em prática – seja uma empresa, um plano de carreira, um novo produto ou várias outras opções.

Imagine que você foi convidado a ministrar uma palestra ou até mesmo está tentando se firmar no mercado como palestrante, e tem um bom tema em mente e possui domínio para falar sobre ele. A partir de então, pode ver isso como um negócio e se organizar. Para isso, pense nos seguintes pontos:

  • Você tem um valor para entregar, que é o seu conteúdo;
  • Pode precisar de parceiros para viabilizar sua apresentação, como alguém que vai criar os seus slides ou o local que vai receber o seu público;
  • Conhecer o segmento do seu público será fundamental para adequar a sua fala;
  • Suas atividades precisam estar claras para que tudo saia como programado (se você vai apresentar um vídeo, fazer uma dinâmica ou apenas falar durante todos os minutos disponíveis);
  • Os recursos que você precisa também devem estar preparados (além do seu conhecimento intelectual, talvez seja preciso comprar um livro, levar folhas de papel para os espectadores ou arrumar uma caneta laser, por exemplo);
  • Seu relacionamento com o público será crucial para atrair atenção e, quem sabe, gerar novas oportunidades de trabalho;
  • Seus canais precisam estar ativos para que as pessoas encontrem você depois da palestra (redes sociais, e-mail, telefone ou qualquer outro meio que elas possam chegar até você);
  • Seus custos precisam ser contabilizados, até para você não cobrar menos do que deveria e acabar no prejuízo (deslocamento, investimentos, alimentação, impostos relacionados ao serviço e outros);
  • Sua receita vai ser o seu ganho financeiro, mas pode ainda envolver aspectos subjetivos, como a sua satisfação pessoal e realização profissional.

Viu como utilizar o Personal Model Canvas é prático? Sua versatilidade é capaz de contribuir com diversos segmentos e possibilidades, já que ele é totalmente adaptável. No fim das contas, cumpre bem o papel de facilitar o processo de criação de ideias em geral. Assim, elas saem do papel de forma muito mais organizada e estruturada para a execução.

Gostou do post? Se esse é um tipo de assunto que desperta seu interesse, aproveite para aprender um pouco mais e descobrir 6 habilidades do futuro que você precisa desenvolver!

Sobre a IBE Conveniada FGV

A Fundação Getulio Vargas, fundada em 1944, é reconhecida como a melhor escola do Brasil para preparação de executivos. A IBE Conveniada FGV começou sua trajetória em 1996, e hoje é a mais completa rede de escolas de negócios FGV do interior paulista. Já formou mais de 35 mil executivos no Brasil e no exterior, e diferencia-se pelos programas Top da FGV, com unidades nas cidades de Americana, Campinas, Jundiaí e Piracicaba.

Conheça os cursos oferecidos pela IBE Conveniada FGV: https://www.ibe.edu.br/

Fique por dentro

Assine nossa Newsletter e receba as novidades por email
// Acesso rápido
Get in touch

872 Arch Ave. Chaska, Palo Alto, CA 55318
[email protected]
ph: +1.123.434.965

Work inquiries

[email protected]
ph: +1.321.989.645