Ter autonomia no ambiente de trabalho é uma grande conquista dos últimos tempos. Há alguns anos, esse não era o tipo de comportamento esperado por um funcionário, pois os sistemas organizacionais eram mais rígidos.

Hoje, já é possível observar que as empresas esperam profissionais mais autônomos e proativos, embora ainda existam regras que precisam e devem ser seguidas.

A questão é: será que as pessoas estão atentas a essa realidade e procuram desenvolver tal competência? Para entender um pouco mais sobre o assunto, continue a leitura deste artigo!

O que é ter autonomia no ambiente de trabalho?

A origem da palavra remete à ideia de que ter autonomia é ser capaz de criar ou seguir suas próprias normas, já que a sua raiz grega indica que “auto” = próprio e “nomos” = normas/leis.

Sendo assim, a pessoa autônoma no trabalho é aquela que tem uma certa liberdade para agir no local onde atua. Isso não quer dizer que ela faz apenas aquilo que quer e quando quer, mas que pode desempenhar suas tarefas de acordo com a sua autogestão.

Outra forma de perceber essa condição é pela capacidade do profissional de antecipar-se aos problemas e tomar atitudes para criar soluções, sem pensar em possíveis punições ou nutrir expectativas de recompensa.

Isso significa não ficar esperando ordens ou estagnado dentro das suas funções específicas, pois a sua percepção de responsabilidade faz com que exista o desejo de fazer além do que foi pedido — o que revela um perfil de protagonista e não de subordinado.

Ou seja, é deixar a posição de repetidor de comandos para adquirir uma posição mais ativa. Para isso, é preciso interpretar cada situação e tomar decisões sobre o que se deve fazer ou não. Em alguns casos, há ainda a possibilidade de delegar tarefas para outras pessoas, dependendo do cargo ocupado.

Enfim, o espírito autônomo é algo que vem do profissional, só que também precisa ser permitido pela empresa. De nada adianta ter essa habilidade se a instituição não permite que o seu funcionário exerça esse papel e tenha liberdade para isso. Por isso, é preciso conciliar os interesses.

Quais são os benefícios do desenvolvimento dessa capacidade?

Um ponto relevante sobre esse tema é que a autonomia pode ser construída ao longo do tempo. Inclusive, a maturidade e a experiência profissional são dois fatores que normalmente ajudam no seu desenvolvimento.

E por que ela é tão importante? Veja abaixo os principais benefícios de contar com um perfil mais autônomo.

Otimizar a comunicação

Quando o ambiente de trabalho estimula a autonomia, boas ideias tendem a surgir com maior frequência. As pessoas se sentem à vontade para expor suas opiniões, argumentar, fazer propostas e questionamentos.

Independentemente se as sugestões forem acatadas ou não, todos têm a oportunidade de trabalhar o poder de comunicação — o que não acontece em locais restritivos.

O desenvolvimento da escuta ativa é outra vantagem, já que aprender a ouvir é uma enorme necessidade em contextos em que a troca de ideias é constante. Assim, os diálogos ficam mais eficientes e produtivos.

Exercitar o autoconhecimento

Não há como negar que a liberdade pode ser uma grande aliada do autoconhecimento. Quando você pode gerenciar a sua própria vida e as suas atividades, naturalmente começa a perceber as suas competências e também as limitações que precisam ser melhoradas.

Por outro lado, passa a se sentir mais capaz e confiante no que consegue fazer. Seus resultados acabam servindo de estímulo para crescer e produzir cada vez mais.

Aumentar a produtividade

Ter autonomia é poder definir as prioridades e planejar-se para cumprir com as suas obrigações de forma mais eficaz. Por conta disso, essa independência precisa vir acompanhada do senso de responsabilidade.

A partir de então, cada um é capaz de potencializar o seu desempenho para aumentar a produtividade em geral das operações.

O que fazer para ser um profissional com mais autonomia?

Por fim, vale a pena aprender algumas dicas de como ter mais autonomia no trabalho. Em primeiro lugar, é claro que essa deve ser uma possibilidade dentro da sua empresa, caso contrário, você pode até ser punido por isso.

Contudo, ao identificar a chance, não deixe de explorar essa característica e utilizá-la a seu favor. Confira como adotar essa ideia no dia a dia:

Tenha uma relação aberta com o seu gestor

Demonstrar segurança e capacidade para realizar as suas funções é uma boa maneira de conquistar autonomia, sendo que uma boa relação com o seu gestor é importante para que ele confie em você e no seu trabalho. Um dos segredos é ser claro e transparente para evitar confusões desnecessárias.

Invista em capacitação contínua

Outra forma de progredir é investir constantemente na sua qualificação. Afinal, sua performance depende do quanto você está preparado para desempenhar tarefas significativas.

Logo, não deixe de buscar ferramentas para aprimorar as suas capacidades, como cursos, livros, palestras, entre outros. O que importa é ter a consciência de que ser autônomo requer muito esforço e dedicação da sua parte para manter-se sempre atualizado.

Procure ouvir mais as pessoas da equipe

É um engano pensar que usufruir de um determinado nível de independência vai fazer de um colaborador “o todo poderoso”. A verdade é que ouvir as outras pessoas é parte essencial do processo de crescimento conjunto.

A política de feedbacks costuma ser um ótimo exemplo disso. Quando todos se unem para dar retornos sobre o trabalho do outro e fazer críticas construtivas, fica mais fácil fazer as correções necessárias e melhorar a cada dia.

Sendo assim, não ache que os seus colegas vão acumular mais poder que você ou vice-versa. Um espírito de equipe fortalecido é capaz de reforçar a autonomia de cada um dentro da empresa.

Evite deixar para depois

Uma coisa que não se pode perder de vista é a regra de que liberdade implica responsabilidade. Ainda que você possa fazer a gestão como bem entender, a sua entrega (ou a falta dela) tem consequências para o resto do negócio.

As suas decisões impactam a vida e o serviço dos outros, o que demanda alto grau de comprometimento e seriedade da sua parte. Portanto, deixar para depois nem sempre é uma boa escolha, mesmo que você possa fazer isso.

No fim das contas, ter autonomia no ambiente de trabalho é um motivo de satisfação para o funcionário e de bons resultados para a empresa. Desde que isso seja feito com cuidado, não há motivos para não incentivar essa prática.

Para continuar acompanhando nossas publicações, aproveite para seguir o perfil da IBE Conveniada FGV no FacebookLinkedIn e Twitter. Assim, você consegue ficar por dentro de todas as nossas novidades!

REMOVER TODOS
COMPARE
0