Vicky Bloch, professora da FGV, discorre sobre a importância do professor na vida de qualquer cidadão. Segundo ela, sem eles, não haveria grande parte do aprendizado de cada um de nós.

“Em uma determinada época da minha vida profissional, quando eu havia realizado grandes conquistas e obtido muitos reconhecimentos, pensei que aquele professor que eu tanto idolatrava estava me desqualificando. Por imaturidade, eu não conseguia enxergar que, no fundo, ele estava apenas chamando a minha atenção para coisas importantes que eu não era capaz de ver”, relata a professora.

Bloch conta, em texto próprio, que passou a entender que não faz sentido a comparação ou a competição entre alunos e professores. Segundo ela, o que temos, sim, é que estar abertos a receber seus questionamentos e provocações, com um olhar de fora, sem interesse senão a genuína vontade de crescer cada vez mais e ser um bom e feliz indivíduo. “O professor te põe diante da paixão de fazer ou de encontrar a paixão por uma causa. Ele foi destinado a desafiar a nós, criaturas humanas, a contribuir para o crescimento da sociedade. Ele nos interpela na nossa decisão de profissão e depois nos apoia a entender os caminhos tortuosos dessa escolha. E, quando você acha que ele te esqueceu, lá vem ele de novo para te fazer refletir, não desanimar com tropeços e, às vezes, puxar a sua orelha,” conta a professora.

Bloch comenta que não nascemos prontos. O grande desafio humano é resistir à sedução do repouso, pois nascemos para caminhar e nunca para nos satisfazer com as coisas como estão. A insatisfação é um elemento indispensável para quem, mais do que repetir, deseja criar, inovar, refazer, modificar, aperfeiçoar.

Fonte: Blog Eaesp

REMOVER TODOS
COMPARE
0